Gratidão é sinal de inteligência

Publicado em 13/02/2015 às 01:40 Por Pr. Almir Marcolino Visto por 840

Inteligência é a faculdade de aprender ou compreender a vida. Como toda capacidade humana ela pode ser desenvolvida ou embotada. Há exercícios para desenvolver a inteligência, como também há ações que podem esvaziá-la. Uma das atitudes que destrói a inteligência é a ingratidão.

Isso é demonstrado em Romanos 1.21. Nesse texto, Paulo, referindo-se às pessoas que torcem os valores humanos, afirma que elas “embora conhecendo a Deus, não o honraram como Deus nem lhe deram graças (ou lhe foram gratas), mas, ao invés disto, foram esvaziados (tornaram-se vazias) em seus raciocínios, e foi escurecido o seu coração insensato”.
Nos versos anteriores é afirmado que todas as pessoas têm acesso ao conhecimento de Deus, mas nem todas fazem uso adequado desse conhecimento. Algumas recusam glorificar a Deus e negam a gratidão a Ele devida. Isso tornou o processo de raciocinar falacioso e vão.  Não produzindo compreensão verdadeira da realidade. As razões concluídas são fictícias e nulas.  E a expressão dessas não passa de pensamentos vazios.  

Cegado pela descrença, o homem não consegue se encontrar na realidade e perde a verdadeira razão da vida. Torna-se um errante no mundo, enganando e sendo enganado. Seus raciocínios e discursos são meros exercícios de vaidade.

A rejeição do conhecimento de Deus pode assumir várias formas, manifestando-se em um ateísmo declarado e, ou, um viver indiferente a Deus como merecedor de toda glória e gratidão. Mesmo quando confessamos crer em Deus, mas não lhe rendemos a devida glória e gratidão, estamos nos comportando como ateus. 

A recusa em reconhecer Deus em nossa vida como Aquele a quem devemos gratidão, leva a um comportamento de deficiência mental, não porque nosso cérebro tenha algum problema físico, mas porque não usamos adequadamente a capacidade mental que Ele nos deu.

Sem levar Deus em consideração teremos dificuldades para entender corretamente a vida. Os pensamentos ficarão infrutíferos. Nossa mente se tornará sem senso, como alguém que tateia em caminho escuro. A falta de gratidão gera uma vida de pensamentos sem valor. Sem reconhecer a Deus e agradecer a Ele, passamos a raciocinar de forma inútil e fútil. A presunção assume a direção de nossa vida. Julgamos que nós mesmos ou outros são a causa da nossa vida e de tudo de bom que ocorre nela e isso é mentira e ilusão.
         
A falta de gratidão também turva nossos olhos e nos impede de reconhecer que, sem Deus, todo esforço humano é vazio, isto é, não produz nada (Salmos 126.1,2).  Nas trevas da ingratidão não enxergamos a realidade de que a vida é apenas uma sombra, e que sem Deus, tudo é vaidade: “Nada há melhor para o homem do que comer, beber e fazer que a sua alma goze o bem do seu trabalho. No entanto, vi também que isto vem da mão de Deus,pois, separado deste, quem pode comer ou quem pode alegrar-se?” (Eclesiastes 2.24,25).

Ao abandonar Deus, as pessoas se tornam presas de nulidades, e por fim, elas mesmas se tornam nulas e vazias: “Assim diz o SENHOR: Que injustiça acharam vossos pais em mim, para de mim se afastarem, indo após a nulidade dos ídolos e se tornando nulos eles mesmos” (Jeremias 2.5)

Na ingratidão, somos dominados pela vaidade e negamos a Deus a honra e glória que com justiça lhe pertencem, e assim destruímos a validade do nosso pensar.

A gratidão não é apenas uma das formas de se evitar a vaidade e a arrogância, mas também de se afastar da idiotice. Ela demonstra que compreendemos corretamente a vida. Portanto, ser grato é sinal de inteligência.


Fonte: Marconi Duarte