O Preço do Perdão Divino

Publicado em 06/01/2017 às 12:05 Por Ricardo Macieira Visto por 912

"Então disse Davi a Natã: Pequei contra o Senhor. Tornou Natã a Davi: Também o Senhor perdoou o teu pecado; não morrerás."(2 Samuel, 12:13)

É muito interessante observar que pela Lei da Torá, Davi devia ter sido condenado à morte pelo seu crime de adultério e homicídio intencional ao planejar a morte de um homem para ficar com a esposa deste. Mas aqui podemos ver claramente a natureza da Graça divina e o caráter da Redenção que só seria efetivada através da morte de Cristo cerca de mil anos depois.

Quando o profeta Natã disse que o terrível e hediondo pecado de Davi fora perdoado, não era como uma corrupta declaração de anistia para acobertar o mal, mas a ação da Graça redentora de Cristo, mesmo antes de se consumar a Redenção pela morte do Cordeiro de Deus, redimindo um pecador verdadeiramente arrependido, transferindo a culpa do seu terrível pecado, colocando-o sobre o corpo de Cristo na Cruz do Calvário mil anos depois e concedendo a Davi todos os benefícios da santidade humana que Jesus conquistou nos anos em que viveu neste mundo.

Sendo assim, Deus pode perdoar e restaurar Davi sem deixar de ser Santo e perfeitamente Justo. Ou seja, o pecado de Davi não foi deixado impune, ele foi total e severamente punido sobre Jesus em Sua morte. Davi não foi julgado e condenado porque a Graça divina o alcançou e outro pagou em seu lugar, recebendo TODO o castigo eterno que Davi sofreria no inferno por toda a eternidade em razão destes e de todos os outros pecados que cometera em vida, antes e depois deste fato.

Assim, mesmo hoje, essa graciosa transação penal ainda está em vigor e ainda é oferecida aos homens, pois todos pecaram em Adão e no seu estado de rebelião, ainda continuam ofendendo a infinita Santidade de Deus em tudo que fazem ou deixam de fazer e se não se arrependerem e confiarem em Jesus, serão julgados segundo todas as perfeitas exigências da Lei do Senhor. O eterno perdão divino não contraria o caráter Santo e Justo de Deus, pelo contrário, o confirma, ao expor aos homens e aos anjos todo o rigor implacável da fúria de Deus Pai contra o pecado, ao deflagrar sobre o Seu próprio Filho a Sua Ira Santa, punindo-o sem misericórdia por todos os pecados de todos os que nEle crêem.

"Porque TODOS pecaram e destituídos estão da glória de Deus; sendo justificados GRATUITAMENTE pela Sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs como propiciação, pela fé, no Seu sangue, para DEMONSTRAÇÃO DA SUA JUSTIÇA por ter ele na Sua paciência, deixado de lado os delitos outrora cometidos; para demonstração da Sua justiça NESTE TEMPO PRESENTE, para que Ele seja JUSTO e também JUSTIFICADOR daquele que tem FÉ em Jesus."(Romanos, 3:23-26)

Fonte: Ricardo Macieira